AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

inovação

O superintendente do IEL, Carlos Cavalcante, explicou durante o seminário Inovação, Criatividade e Propriedade Industrial, promovido pelo Senai e IEL, na segunda-feira (22) no escritório da CNI em São Paulo, que a estabilização da economia nos últimos 15 anos deu uma base para as empresas se organizarem, preparando-se para crescer." As empresas puderam se planejar para obter mais competitividade tantos nos mercados interno quanto externo. Com este novo cenário as empresas estão mais voltadas a investir na inovação, para ter um diferencial no mercado.

O principal concurso de inovaçao do Senai consagrou três projetos gaúchos, nos pavilhões do Riocentro, no Rio de Janeiro. Entre 40 propostas classificadas para a final nacional da disputa, o Centro Tecnologico do Couro Senai, de Estancia Velha, foi o grande vencedor na modalidade Processo Inovador na categoria Aluno, com o projeto Reuso de óleo - uma nova alternativa ecologicamente correta. Na mesma categoria, ainda foi premiado o Carro de compras eletrônico − Autokon, da Escola de Educaçao Profissional Senai Carlos Tannhauser, de Santa Cruz do Sul.

Junto da Olimpíada Nacional do Conhecimento e da World Skills Americas 2010 acontece uma série de eventos e atividades paralelas. Entre elas, esta o Inova Senai, que reúne projetos de todo o Brasil. O Rio Grande do Sul foi o Estado que teve o melhor aproveitamento. De sete propostas enviadas ao departamento nacional, cinco delas foram aprovadas para serem apresentadas a todo o Brasil.

Em 2010, o IEL-RS vai dar sequência às ações na área de inovação, além da educação empresarial. "O 3º Congresso Internacional de Inovação e a relação com a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) são algumas atividades que ocorrerão em 2010", destaca a superintendente do IEL-RS, Elisabeth Urban. Ela salienta ainda a atenção que será dada aos programas como o Educação Executiva IEL-Líderes para um Mercado Global, em parceria com a Wharton School (University of Pennsylvania), que será de 8 a 10 de abril, em Bento Gonçalves.

Doze prioridades para estimular a inovação nos setores privado e público foram divulgadas, nesta quarta-feira (25), durante o encerramento do 2º Congresso Internacional de Inovação, realizado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, por meio do Instituto Euvaldo Lodi. Durante três dias, especialistas nacionais e internacionais, representantes do poder público, de arranjos produtivos locais, agências de fomento, empresários e industriais refletiram sobre o assunto e elaboraram o documento, denominado 2010 − Rio Grande do Sul como Sociedade de Inovação.

O último dia do 2º Congresso Internacional de Inovação, promovido pela FIERGS, por meio do Instituto Euvaldo Lodi, abordou o tema "Ambiente regional para a inovação", intermediado pelo diretor presidente do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Cláudio Gastal, e com a participação de secretários de governo do Rio Grande do Sul.

Um dos temas de destaque do 2o Congresso Internacional de Inovação, realizado pelo Sistema FIERGS, por meio do Instituto Euvaldo Lodi, foi o desafio do processo de inovação com a alternância de poder.

Na primeira palestra do Congresso, na manhã desta terça-feira (24), o professor de gestão em tecnologia e inovação da Universidade de Sussex, Joe Tidd, abriu os trabalhos falando sobre "Inovação e Empreendedorismo" e as realidades nos diversos países. "O processo de inovação não deve ser apenas nas áreas científicas e tecnológicas, para elaboração de novos produtos e serviços, mas também nos processos de gestão dentro das empresas", opinou Tidd.

Apesar da importância da integração entre empresas e universidades no surgimento da inovação, conforme foi apresentado no primeiro dia do 2º Congresso Internacional de Inovação, na FIERGS, há outros mecanismos para inseri-la nas empresas. A inovação através de outros meios foi um dos pontos apresentados pelos painelistas durante o segundo dia do evento, que reúne especialistas nacionais e internacionais até esta quarta-feira (25).

Por que as empresas, de uma maneira geral, investem pouco em inovação no Brasil? Segundo a presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Empresas Inovadoras (Anpei), Maria Angela do Rego Barros, o principal empecilho é a complexidade e a burocracia para ter acesso aos recursos disponíveis.