Esteiras para alimentos dentro da exigência da ANVISA

A tecnologia ajuda a mantermos cada vez mais os padrões de qualidade e segurança do setor alimentício, durante todo o processo industrial. E um pedacinho pequeno da fábrica pode comprometer tudo! Veja como ajudamos no desenvolvimento de um novo componente plástico para evitar contaminações em esteiras da indústria de alimentos.


A NECESSIDADE

Para ampliar seu mercado de atuação e adequar seus produtos as novas exigências das RDC's (Resolução da Diretoria Colegiada) 51, 52 e 326 da ANVISA, a empresa Unirons precisava desenvolver um novo tipo de esteira transportadora de alimentos.

A legislação brasileira exige que embalagens, artefatos e equipamentos plásticos destinados a entrar em contato com alimentos durante a sua produção, transporte, distribuição e armazenamento devem atender resoluções técnicas da ANVISA n° 51 e 52, que dispõe sobre a migração em materiais, embalagens e equipamentos plásticos que entram em contato com alimentos e sobre o uso de corantes que são utilizados nestes segmentos. Desde julho de 2016, esses equipamentos devem atender também a RDC n° 26 da ANVISA. Esta norma indica a presença ou não de produtos de látex natural ou borracha natural que são considerados alergênicos no anexo 01 desta resolução.

O DESENVOLVIMENTO

O Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros atuou no desenvolvimento e validação de formulações em materiais termoplásticos, para aplicação em módulos de esteiras transportadoras de alimentos, que atendam todos os requisitos da ANVISA.

A resina base e os pigmentos selecionados são livres de metais e outras substâncias, comprovados por ensaios de migração de metais e migração específica, garantindo que nenhum material ou pigmento possam migrar ao alimento através do contato repetitivo dos alimentos sobre a superfície da esteira, garantindo a integridade do alimento durante as etapas de corte nos frigoríficos.

A formulação desenvolvida também é bastante importante, pois garante a resistência à abrasão necessária para o transporte de cortes especiais com ossos, mantendo a integridade da superfície dos módulos de esteiras transportadoras. A aplicação garante uma maior vida útil ao produto, além de evitar qualquer tipo de contaminação do alimento durante as etapas de corte em frigoríficos, evitando o desperdício de cortes de suínos e bovinos.

Inovação é o futuro da indústria. Sempre podemos transformar boas ideias em soluções inteligentes. E para isso, conte com o SENAI-RS.

fomento-embrapii

Outros cases

AduBio Plus - Fertilizante feito com RESÍDUOS DE EPIS DE COURO
29/10/2020
Desenvolvimento de um fertilizante líquido nitrogenado produzido a partir EPIs de couro após seu descarte e de...
29/05/2019
Desenvolvimento de coleção destinada ao segmento de alta decoração.